Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 19 de dezembro de 2010

Abordo com as Estrelas

O mundo de conhecimento que rege a astronomia e ciencias ligadas a esta é infinito, porém tudo que faz parte desse imenso conhecimento é imaginável. Cada minuto que perdemos por saberO mundo de conhecimento que rege a astronomia e ciencias ligadas a esta é infinito, porém tudo que faz parte desse imenso conhecimento é imaginável. Cada minuto que perdemos por saber que percorremos um caminho excessivo é cruel, pois estamos deixando de lado o melhor que o ser humano pode conhecer: Seu Universo! que percorremos um caminho excessivo é cruel, pois estamos deixando de lado o melhor que o ser humano pode conhecer: Seu Universo!


Qual o ser humano que nunca se fascinou ao olhar para o céu negro da noite e se encantar com aqueles muitos pontinhos, que são mais preciosos, ao meu valor, que quaisquer jóias desse mundo?
Desde que nossas vidas eram feitas de fantasias, como quando criança, nos encantamos por admirar a beleza da lua cheia. E quando descobrimos que existem coisas mais belas, muito mais belas que o que podemos com nossa própria visão avistar no céu?
Daí em diante, aqueles que já admiram as estrelas, passam a se apaixonar arduamente por algo mais além: O Universo.
Qualquer um com um pouco de sensibilidade, se fascina com as fantásticas nebulosas, galáxias, aglomerados.
Mas para aquelas que dispõem desse fascínio como inspiração em sua vida é com certeza, um sentimento mais além: é como se o cosmo explodisse em nossas veias e que uma galáxia inteira conspirasse em nosso coração.
Se levarmos esse lado emocional para o lado científico, iremos cada vez mais encontrando mais respostas.
Nós somos gerados pelo Universo. Nossas mudanças e ‘metamorfose’ é através dele. Somos moléculas, somos matérias, perfeitamente desenvolvida, não em apenas 3,5 milhões de anos atrás, e nem desde que os seres vivos começaram a se desenvolver no ambiente aquático, e sim a muito, mais muito tempo atrás, quando o Universo formava novas matérias e novos elementos.
Em nossos corpos existem átomos, é assim que o universo nos gerou. Assim como tudo ao que nosso redor há, menos claro, os buracos negros que são a ausência de matéria. Eu posso com clareza dizer a você que talvez em algum lugar em seu corpo existam alguns átomos (mais especificamente um elétron) que pertenceu a uma estrela que se extinguiu, ou até mesmo de algum outro ser humano, ou não, que se desintegrou materialmente, há bilhões e bilhões de anos atrás, quando sua caça foi extinta. Por que não? Porque devemos cegamente acreditar que todos os elementos químicos que formam o nosso corpo são novos? E não são!
Você se alimenta e seu corpo absorve vitaminas, que nada mais são que moléculas formadas. É fantástico imaginar por onde nossos átomos vagavam por ai, durante todo esse tempo universal, que pode ou não sempre ter existido (e não criado).


*1 - Conhecer por desejo e não por pressão.

Quando você começa a descobrir algo que achou interessante você acaba satisfazendo um prazer. Esse prazer será o passaporte para outros prazeres. Digo para compreender que um conhecimento atrai o outro. Devemos buscar se informar de tudo, e mesmo o que não pertencer ao nosso universo diário, devemos analisar para em uma conversa futura saber dialogar com detalhes e trocar idéias construtivas que beneficiem nosso intelecto.
Quando você conhece bem, você vive bem. Quando você pensa bem você se sente bem (Carl Sagan)

Seja assim inevitável que aqueles que souberem compreender bem seu mundo interior e o exterior, irá sobreviver as situações imagináveis para os de conhecimentos precários.
Conhecimentos precários, estes porque da parte do mundo falta estimulo. A televisão que todos têm acesso não estimula o interesse pela ciência. Ao contrário, apresenta programas estúpidos e banais, com o intuito de entreter e não o de oferecer tudo o que realmente devemos pelo menos ter uma noção de que exista. Nossos jovens estão confortáveis no sofá assistindo qualquer coisa para matar o tempo, enquanto o mundo lá fora não pára e pede para ser descoberto.
Falta o incentivo nas escolas, que abrigam e seus alunos aprenderem por um método que sufoca e não faz com que eles compartilham o que sabem uma discussão aberta e sensata. Assim, criando esse ambiente democrático nas escolas, iriam aplicar este método em várias situações do dia-a-dia, dando sua opinião, e sabendo ouvir, respeitar a opinião alheia.
Por precação, deveria ter o incentivo da família também. Mas todos podem descobrir a paixão pelo desconhecido sozinhos. Um dia você tropeça em algo que acabou curioso, pega e guarda para si, e quando olha mais e mais curiosidades, e chega a um portal, e quando o abre toma conhecimento de que realmente você nada sabe: o portal de um universo diferente.
É importante compartilhar o que sabemos. Sendo em um blog na internet, ou em uma redação escolar, em uma musica, com uma conversa com os amigos. É importante influenciar família, amigos, vizinhos, a comunidade. Uma influência positiva que leve todos para uma escada infinita de conhecimento.

Abordo com as Estrelas


Deixar a mente viajar pela imensidão do universo... Transpassar os cosmos, se aquecer com as estrelas e sentir o frio da solidão da escuridão espacial.
Somos tão pequenos comparados ao tamanho e tempo perdido no espaço, mas somos grandes por sermos parte deste universo. É fantástico imaginar que em alguma micro-parte do meu corpo pode se encontrar algum átomo de uma estrela que se expandiu. É maravilhoso pensar que o brilho daquela estrela que nos chama tanto a atenção seja uma imagem transmitida a milhares de anos atrás,dependente de sua distancia a anos-luz.

Enfim, é incrível acreditar que temos um desconhecimento do tamanho deste universo que nos serve de abrigo e morada. O mistério por trás de cada estrela, a duvida da criação que leva nossas mentes limitadas e ignorantes (comparada a todo o conhecimento que ainda nos aguarda).

O mistério é o cosmos. Nós somos o cosmo. Não somos os que manipulam a energia que faz o universo conspirar e sim, fazemos parte dessa ENERGIA CÓSMICA.

E o futuro, como o nosso passado antiguo de criação ainda é um mistério. Para pensar, imaginar e planejar esse futuro ainda temos contas pendentes com o nosso passado.

Sejam todos bem vindos a essa viagem pelas estrelas. O caminho é longo e infinito, o conhecimento é finito, mas o desconhecido é imensamente infinito!

Para começar...


Ontem descobri que com minha mente posso alcançar tudo o que desejar. Mas apenas conhecia.

Hoje descobri que na ponta do meu dedo indicador chegam cerca de 40 milhões de neutrinos, que podem se interligar a distancias enormes como forma de expansão em ondas ou partículas. A todo o momento há ao meu redor uma troca abundante de neutrinos, tanto físico tanto mental, pois ao se aprofundar bem afundo matéria e energia provem de uma única fonte, baseada nas leis quânticas universais. Verdade imposta? Não, aqui não somos religiosos, acreditamos em uma força maior quântica que não merece o titulo de Deus, ou seja, o ser dogmático com seus mandamentos que for já estes manchados pelas palavras e egoísmo sujo dos homens.

Amanha o que descobrirei? Descobrirei que metade do que eu descobri era mentira, mas nem fosse tão assombroso assim conhecer, pois tudo o que vi e reconheci nunca aceitei como única verdade.

Abram suas mentes e imaginação. Matéria e energia são as mesmas coisas. Sua energia mental pode coagir com o físico, pois os neutrinos como ondas e partículas, matéria e energia se fundem e podem fazer trocas de lugares fazendo o inesperado acontecer.

Se não me entender, não prossiga. Retorne ate entender, senão irá se decepcionar com os fundamentos físicos elementares, mas tudo fica simples se você não se prender somente no que já sabe e abrir espaço psíquico para compreender algo nunca visto antes.

Não aceite nada de imediato. Argumente, analise, questione. Mas também não negue. Tudo sempre muda e nossas ‘’verdades’’ irão se revelar, melhor se retratando, irão evoluir.
Bem vindos a física quântica!


Albert Einstein não nasceu um gênio. Não importa se seus pais forem Hepácia e Isaac Newton, se você não buscar crescer por interesse próprio e por paixão, você nunca saberá o que pode ainda saber. Mas apesar de Einstein não ter nascido um gênio, ele tinha algo que nos leva ao caminho da sabedoria e genialidade: a curiosidade.
E ninguém o pode parar quando você é curioso!
Einstein tratava de satisfazer seus próprios interesses. Ele não se importava muito se fosse bem em Grego, Historia ou Artes. Ele tinha o consentimento de que a escola com seus métodos de ensinar a qualquer custo e de seguir regras acabavam sufocando o interesse de jovens e principalmente crianças e, se interessar pelo mundo científico.
Por isso Einstein só buscava o conhecimento mais e mais profundo sobre o que lhe mais interessava: A Física. A ciência de Einstein poderia ser facilmente compreendida por qualquer um. Aliás, Einstein não era desses cientistas paradoxistas que procuram impressionar ao invés de esclarecer.
A ciência é para todos. Mas todos foram massacrados pela pressão de aprender a qualquer custo. Fazer essa vida valer a pena, com todo o conhecimento que podemos desfrutar. O tempo não pára e há um longo e delicioso caminho para descobrir.

sábado, 4 de dezembro de 2010

E agora? Onde eu jogo o meu lixo?

Em 15 de Julho de 2010, começou a vigorar na cidade do Rio de Janeiro a Lei nº 5.502 que poderá multar os supermercados e grandes lojas que não cumprirem as obrigações previstas, descritas no Art. 3º:

I – a cada 5 (cinco) itens comprados no estabelecimento, o cliente que não usar saco ou sacola plástica fará jus ao desconto de no mínimo R$ 0,03 (três centavos de real) sobre as suas compras;

II – permuta de 1 Kg (um quilograma) de arroz ou feijão por cada 50 (cinqüenta) sacolas ou sacos plásticos apresentados por qualquer pessoa.

Muitas pessoas ficaram preocupadas e se perguntavam como fazer para jogar o lixo fora. Eis que foi feito o seguinte artigo para esclarecer as principais dúvidas e orientar a população do Rio e as demais à jogar seus resíduos de forma mais correta!

* O problema

O problema todo é o uso execessivo e o descarte inadequado dessas sacolas plásticas. Nos acostumamos com a praticidade que os sacos plásticos proporcionam, sem pensar nas consequências. Como elas distribuidas “de graça” (entre aspas porque de graça não é- o preço delas está embutido nos produtos que compramos) nós as usamos sem piedade – às vezes uma sacolinha plástica é usada para jogar um potinho de iogurte somente. Se começarmos a pagar por essas embalagens, vamos pensar melhor antes de jogar um saquinho vazio – ou metade cheio.

* Sacos reciclados


Você pode comprar sacos plásticos para lixo feitos de plástico reciclado. Ou seja, não é preciso retirar mais petróleo para fabricá-los, que no final das contas vai parar no lixo mesmo. E sacos plásticos entregues no supermercado têm que necessáriamente ser plástico virgem de acordo com normas da Anvisa, pois estaremos carregando alimentos.

* Reutilizar embalagens

Sabe os sacos que embalam o arroz, o feijão, o acúçar? Eles também podem ser usados para jogar o lixo – do banheiro por exemplo. Também tem os saquinhos plásticos que colocamos dentro as frutas e verduras no supermercado.

* Compostagem do lixo orgânico

Os resíduos orgânicos que são gerados na cozinha, podem ser reciclados por meio de um processo que se chama Compostagem. Esse processo nada mais é, que colocar as cascas de frutas e restos de alimentos, dentro de uma caixa com terra e minhocas. As minhocas farão todo o processo de compostagem. Isso é: você só tem que se preocupar em colocar os resíduos na caixa, e depois de um mês ou dois, você pode retirar o adubo que está rico em nutrientes para usar nos vasinhos de planta. Montar sua própria composteira é fácil: http://tinyurl.com/2uv3let Ou você pode comprar uma: http://tinyurl.com/39caqx6

* Recicláveis na caixa de papelão

Você pode usar uma caixa de papelão para acondicionar seu lixo reciclável, e levar a caixa no ponto de coleta mais próximo para ser reciclado. Se você mora em condomínio, você pode sugerir o uso de lixeiras de coleta seletiva na portaria para apenas tirar o material da caixa de papelão e colocar na lixeira certa. (É muito comum que os próprios funcionários do seu condomínio levem os materiais para reciclagem para ganhar uma graninha extra. Se onde você mora é assim, separar o lixo vai facilitar a vida desses funcionários, pois vai evitar a contaminação com outros resíduos orgânicos). Você também pode comprar uma lixeira grande, ou um saco de pano resistente grande. E não esqueça de lavar as embalagens recicláveis e deixar secar antes de colocar na caixa.

* Problemas Ambientais

- sacos plásticos ajudam a entupir bueiros o que provoca inundações nas cidades;
- sacos plásticos vão parar em rios, lagos e oceanos, o que provoca mortes por inanição de animais aquáticos;
- sacos plásticos aumentam o volume total do lixo que vai parar nos aterros e lixões, diminuindo a vida útil destes. Além disso, sua propriedade impermeabilizante atrapalha a decomposição dos resíduos;
- sacos plásticos podem levar mais de 400 anos para sumir totalmente da natureza (quando nossos tataranetos nascerem eles ainda vão estar presentes na natureza);
- sacos plásticos são feitos a partir do petróleo – um combustível não renovável – e poluente;
- sacos plásticos são muito leves, e podem sair voando por aí, e causar outros tipos de poluição;

*Enfim…

Temos bons motivos para parar de usar sacos plásticos! Dificilmente eles serão exterminados! Mas isso não impede que cada um tenha a consciência de fazer o seu melhor – e de promover individualmente a melhoria da qualidade ambiental da sua cidade (e de sua vida)!









Multinacionais ou Transnacionais?


Muitos autores adotam as expressões multinacionais e transnacionais como sinônimos. Outros, no entanto, consideram diferenças peculiares entre elas, a saber:

. MULTINACIONAIS > são empresas que mantêm filiais em vários países do mundo, comandadas a partir de uma sede situada no país de origem.

. TRANSNACIONAIS > são empresas cujas filiais não seguem as diretrizes da matriz, pois possuem interesses próprios e às vezes conflitantes com os do país no qual se originaram (Vesentini, 2003).

Visite o site abaixo para ver curiosidades interessantes sobre inúmeras marcas de produtos.


Normas básicas de apresentação de trabalhos escolares


As normas abaixo servem, para orientar, facilitar e padronizar a apresentação dos trabalhos escolares dos alunos. No entanto, devo ressaltar que mediante o nível de escolaridade e dos objetivos propostos, as regras – aqui descritas – são básicas, não seguindo rigorosamente as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

TRABALHOS DIGITADOS:

Regras Básicas:

- em qualquer destas formas deve-se respeitar as margens da folha: esquerda em 2,0 cm; direita, superior e inferior em 1,5 cm;

- é obrigatório o uso de tinta (digitado) de cor azul ou preta;

- o uso de caneta ou tinta de outra cor só será permitida no caso de títulos, subtítulos ou palavras-chaves;

- os trabalhos digitados devem ser apresentados em folhas de papel Ofício ou A4;

- caso haja acesso à Internet para a realização da pesquisa, o aluno NÃO poderá imprimir o texto original na íntegra e anexar ao trabalho. É preciso que se realize – primeiro – uma leitura (análise) e o resumo do mesmo (síntese);

- quanto às fontes do trabalho digitado, estas podem ser Times New Roman ou Arial, com tamanho 12 para o texto;

- o espaçamento “entre linhas” em todo o texto deve ser de 1,5;

- para destacar cada Título e/ou Subtítulo deve-se utilizar dois espaços de 1,5 tanto antes quanto depois;

- deve-se numerar as folhas à partir da Introdução, na margem inferior ou no fim da página, podendo ser alinhada a direita ou centralizada;

- todo trabalho deverá vir grampeado;

- a estrutura do trabalho deve ser dividida em três partes: a Capa, o Corpo e as Referências Bibliográficas;

- cada parte deve apresentar os seguintes elementos obrigatórios:

1. Capa:

Além de proteção externa do trabalho, a capa serve como elemento de identificação.

A capa do trabalho manuscrito deve ser confeccionada em papel almaço sem pauta, enquanto a do trabalho digitado deve ser em folha de papel Ofício ou A4.

Caso o aluno queira ilustrar a capa com desenhos ou figuras, estes devem estar de acordo com o tema, distribuídos de forma adequada, que não afete a configuração da Capa, não devendo exceder duas imagens.

A configuração e os principais elementos a constarem da Capa são:

Elementos necessários e obrigatórios:

- Nome do Estabelecimento de Ensino;

- Nome da Disciplina;

- Nome e Sobrenome do Professor Solicitante;

- Título do Trabalho;

- Nome completo do Aluno ou dos Membros do Grupo;

- № da Chamada;

- № da Turma;

- Nome da cidade da Unidade Escolar;

- O mês e ano da entrega da pesquisa.

2. Corpo do Trabalho:

O corpo do trabalho deve conter os seguintes elementos: Introdução, Desenvolvimento e Con-siderações Finais.

Cada elemento integrante do corpo do trabalho deve ser apresentado em folha separada, ou seja, a Introdução em uma folha, o Desenvolvimento em outra, assim como as Considerações Finais.

2.1. Introdução »» Corresponde à parte inicial do texto do trabalho, tendo como finalidades principais: informar sobre a importância do tema pesquisado, a justificativa de sua escolha e os objetivos do seu estudo.

A palavra INTRODUÇÃO deve vir escrita ou digitada em caixa alta (letras maiúsculas), de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.


2.2. Desenvolvimento »» Parte principal do trabalho, onde se encontra a explanação do assunto pesquisado. Dependendo da temática abordada, pode-se incluir – nesta parte – o método utilizado.

A palavra DESENVOLVIMENTO deve vir escrita ou digitada em caixa alta, de forma centraliza-da ou no lado esquerdo superior.

2.3 Considerações Finais »» Corresponde à parte final do texto, onde o autor (aluno) expõe as suas conclusões quanto à pesquisa.

As palavras CONSIDERAÇÕES FINAIS devem vir escritas ou digitadas em caixa altas, de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.

3.3. Referências Bibliográficas»» As fontes de pesquisa (livros, artigos, revistas, sites etc.) utilizadas pelo aluno e/ou alunos (grupo) devem constar, em folha separada, na parte das Referências Bibliográficas.

As palavras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS devem vir escritas ou digitadas em caixa al-tas, de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.

Os elementos principais que devem ser citados são: o Nome do Autor; o Título; o Subtítulo (se houver); a Edição; o Local; a Editora; a Data de Publicação.

O ano da Edição só é citado à partir da segunda edição. Se não houver nenhuma referência acerca desta é porque é a primeira edição.

Exemplos: SANTOS, Milton. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. São Paulo, Hucited, 1978;

Referências de documentos eletrônicos (exemplo):

AUTOR. Título da obra. Disponível na Internet via www. (endereço on line). Data de acesso.

DANTAS, Tiago. Os efeitos do aquecimento global no Brasil. Disponível na Internet via www.brasilescola.com/geografia/os-efeitos-aquecimento-global-no-brasil.htm. Arquivo capturado em 04 de fevereiro de 2009 (ou Acesso em 04 de fevereiro de 2009).

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

. Deve-se RESPEITAR A DATA DE ENTREGA dos trabalhos, tendo em vista O NÃO RECEBIMENTO do mesmo fora do prazo estabelecido. Exceto nos casos de adiamento da data pela própria professora ou em casos específicos (atestado médico);

. Todos os aspectos relacionados ao trabalho escolar serão avaliados, a saber: o prazo da entrega, a apresentação externa (capa); a letra (legível); as ilustrações; o capricho; o conteúdo do corpo do trabalho (introdução, conteúdo e a conclusão), a síntese e as fontes bibliográficas.

Formas de Relevo

As formas de relevo e suas características, planalto, planície, depressões e montanhas, tipos de relevo.
Montanhas: formação a partir do choque de placas tectônicas

Planaltos

Os planaltos, também chamados de platôs, são áreas de altitudes variadas e limitadas, em um de seus lados, por superfície rebaixada. Os planaltos são originários das erosões provocadas por água ou vento. Os cumes dos planaltos são ligeiramente nivelados.
Exemplo: Planalto Central no Brasil, localizado em território dos estados de Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Planícies

É uma área geográfica caracterizada por superfície relativamente plana (pouca ou nenhuma variação de altitude). São encontradas, na maioria das vezes, em regiões de baixas altitudes. As planícies são formadas por rochas sedimentares. Nestas áreas, ocorre o acúmulo de sedimentos.
Exemplos: Planície Litorânea, Planície Amazônica e Planície do Pantanal.

Depressões

As depressões são regiões geográficas mais baixas do que as áreas em sua volta. Quando esta região situa-se numa altitude abaixo do nível do mar, ela é chamada de depressão absoluta. Quando são apenas mais baixas do que as áreas ao redor, são chamadas de depressões relativas. As crateras de vulcões desativados são consideradas depressões. É comum a formação de lagos nas depressões.
Exemplo: Depressão Sul Amazônica

Montanhas

As montanhas são formações geográficas originadas do choque (encontro) entre placas tectônicas. Quando ocorre este choque na crosta terrestre, o solo das regiões que sofrem o impacto acabam se elevando na superfície, formando assim as montanhas. Estas são conhecidas como montanhas de dobramentos. Grande parte deste tipo de montanhas formaram-se na era geológica do Terciário. Existem também, embora menos comum, as montanhas formadas por vulcões.

As altitudes das montanhas são superiores as das regiões vizinhas. Quando ocorre um conjunto de montanhas, chamamos de cordilheira
Exemplos: Aconcágua (Argentina), Pico da Neblina (Brasil), Logan (Canadá), Kilimanjaro (Tanzânia), Monte Everest (Nepal, China), Monte K2 (Paquistão, China), Monte Blanco (França, Itália).

Relevo Brasileiro


Introdução
O território brasileiro pode ser dividido em grandes unidades e classificado a partir de diversos critérios. Uma das primeiras classificações do relevo brasileiro, identificou oito unidades e foi elaborada na década de 1940 pelo geógrafo Aroldo de Azevedo. No ano de 1958, essa classificação tradicional foi substituída pela tipologia do geógrafo Aziz Ab´Sáber, que acrescentou duas novas unidades de relevo.
Classificações de relevo
Uma das classificações mais atuais é do ano de 1995, de autoria do geógrafo e pesquisador Jurandyr Ross, do Departamento de Geografia da USP (Universidade de São Paulo). Seu estudo fundamenta-se no grande projeto Radambrasil, um levantamento feito entre os anos de 1970 e 1985. O Radambrasil tirou diversas fotos da superfície do território brasileiro, através de um sofisticado radar acoplado em um avião. Jurandyr Ross estabelece 28 unidades de relevo, que podem ser divididas em planaltos, planícies e depressões.,
Características do relevo brasileiroO relevo do Brasil tem formação muito antiga e resulta principalmente de atividades internas do planeta Terra e de vários ciclos climáticos. A erosão, por exemplo, foi provocada pela mudança constante de climas úmido, quente, semi-árido e árido. Outros fenômenos da natureza (ventos e chuvas) também contribuíram no processo de erosão.
O relevo brasileiro apresenta-se em :
Planaltos – superfícies com elevação e aplainadas , marcadas por escarpas onde o processo de desgaste é superior ao de acúmulo de sedimentos.
Planícies – superfícies relativamente planas , onde o processo de deposição de sedimentos é superior ao de desgaste.
Depressão Absoluta - região que fica abaixo do nível do mar.
Depressão Relativa – fica acima do nível do mar . A periférica paulista, por exemplo, é uma depressão relativa.
Montanhas – elevações naturais do relevo, podendo ter várias origens , como falhas ou dobras.

Pontos Culminantes do Brasil

Pico

Serra

Altitude (m)

da Neblina

Imeri (Amazonas)

3.014

31 de Março

Imeri (Amazonas)

2.992

da Bandeira

do Caparaó (Espírito Santo/Minas Gerais)

2.890

Roraima

Pacaraima (Roraima)

2.875

Cruzeiro

do Caparaó (Espírito Santo)

2.861




domingo, 19 de dezembro de 2010

Abordo com as Estrelas

O mundo de conhecimento que rege a astronomia e ciencias ligadas a esta é infinito, porém tudo que faz parte desse imenso conhecimento é imaginável. Cada minuto que perdemos por saberO mundo de conhecimento que rege a astronomia e ciencias ligadas a esta é infinito, porém tudo que faz parte desse imenso conhecimento é imaginável. Cada minuto que perdemos por saber que percorremos um caminho excessivo é cruel, pois estamos deixando de lado o melhor que o ser humano pode conhecer: Seu Universo! que percorremos um caminho excessivo é cruel, pois estamos deixando de lado o melhor que o ser humano pode conhecer: Seu Universo!


Qual o ser humano que nunca se fascinou ao olhar para o céu negro da noite e se encantar com aqueles muitos pontinhos, que são mais preciosos, ao meu valor, que quaisquer jóias desse mundo?
Desde que nossas vidas eram feitas de fantasias, como quando criança, nos encantamos por admirar a beleza da lua cheia. E quando descobrimos que existem coisas mais belas, muito mais belas que o que podemos com nossa própria visão avistar no céu?
Daí em diante, aqueles que já admiram as estrelas, passam a se apaixonar arduamente por algo mais além: O Universo.
Qualquer um com um pouco de sensibilidade, se fascina com as fantásticas nebulosas, galáxias, aglomerados.
Mas para aquelas que dispõem desse fascínio como inspiração em sua vida é com certeza, um sentimento mais além: é como se o cosmo explodisse em nossas veias e que uma galáxia inteira conspirasse em nosso coração.
Se levarmos esse lado emocional para o lado científico, iremos cada vez mais encontrando mais respostas.
Nós somos gerados pelo Universo. Nossas mudanças e ‘metamorfose’ é através dele. Somos moléculas, somos matérias, perfeitamente desenvolvida, não em apenas 3,5 milhões de anos atrás, e nem desde que os seres vivos começaram a se desenvolver no ambiente aquático, e sim a muito, mais muito tempo atrás, quando o Universo formava novas matérias e novos elementos.
Em nossos corpos existem átomos, é assim que o universo nos gerou. Assim como tudo ao que nosso redor há, menos claro, os buracos negros que são a ausência de matéria. Eu posso com clareza dizer a você que talvez em algum lugar em seu corpo existam alguns átomos (mais especificamente um elétron) que pertenceu a uma estrela que se extinguiu, ou até mesmo de algum outro ser humano, ou não, que se desintegrou materialmente, há bilhões e bilhões de anos atrás, quando sua caça foi extinta. Por que não? Porque devemos cegamente acreditar que todos os elementos químicos que formam o nosso corpo são novos? E não são!
Você se alimenta e seu corpo absorve vitaminas, que nada mais são que moléculas formadas. É fantástico imaginar por onde nossos átomos vagavam por ai, durante todo esse tempo universal, que pode ou não sempre ter existido (e não criado).


*1 - Conhecer por desejo e não por pressão.

Quando você começa a descobrir algo que achou interessante você acaba satisfazendo um prazer. Esse prazer será o passaporte para outros prazeres. Digo para compreender que um conhecimento atrai o outro. Devemos buscar se informar de tudo, e mesmo o que não pertencer ao nosso universo diário, devemos analisar para em uma conversa futura saber dialogar com detalhes e trocar idéias construtivas que beneficiem nosso intelecto.
Quando você conhece bem, você vive bem. Quando você pensa bem você se sente bem (Carl Sagan)

Seja assim inevitável que aqueles que souberem compreender bem seu mundo interior e o exterior, irá sobreviver as situações imagináveis para os de conhecimentos precários.
Conhecimentos precários, estes porque da parte do mundo falta estimulo. A televisão que todos têm acesso não estimula o interesse pela ciência. Ao contrário, apresenta programas estúpidos e banais, com o intuito de entreter e não o de oferecer tudo o que realmente devemos pelo menos ter uma noção de que exista. Nossos jovens estão confortáveis no sofá assistindo qualquer coisa para matar o tempo, enquanto o mundo lá fora não pára e pede para ser descoberto.
Falta o incentivo nas escolas, que abrigam e seus alunos aprenderem por um método que sufoca e não faz com que eles compartilham o que sabem uma discussão aberta e sensata. Assim, criando esse ambiente democrático nas escolas, iriam aplicar este método em várias situações do dia-a-dia, dando sua opinião, e sabendo ouvir, respeitar a opinião alheia.
Por precação, deveria ter o incentivo da família também. Mas todos podem descobrir a paixão pelo desconhecido sozinhos. Um dia você tropeça em algo que acabou curioso, pega e guarda para si, e quando olha mais e mais curiosidades, e chega a um portal, e quando o abre toma conhecimento de que realmente você nada sabe: o portal de um universo diferente.
É importante compartilhar o que sabemos. Sendo em um blog na internet, ou em uma redação escolar, em uma musica, com uma conversa com os amigos. É importante influenciar família, amigos, vizinhos, a comunidade. Uma influência positiva que leve todos para uma escada infinita de conhecimento.

Abordo com as Estrelas


Deixar a mente viajar pela imensidão do universo... Transpassar os cosmos, se aquecer com as estrelas e sentir o frio da solidão da escuridão espacial.
Somos tão pequenos comparados ao tamanho e tempo perdido no espaço, mas somos grandes por sermos parte deste universo. É fantástico imaginar que em alguma micro-parte do meu corpo pode se encontrar algum átomo de uma estrela que se expandiu. É maravilhoso pensar que o brilho daquela estrela que nos chama tanto a atenção seja uma imagem transmitida a milhares de anos atrás,dependente de sua distancia a anos-luz.

Enfim, é incrível acreditar que temos um desconhecimento do tamanho deste universo que nos serve de abrigo e morada. O mistério por trás de cada estrela, a duvida da criação que leva nossas mentes limitadas e ignorantes (comparada a todo o conhecimento que ainda nos aguarda).

O mistério é o cosmos. Nós somos o cosmo. Não somos os que manipulam a energia que faz o universo conspirar e sim, fazemos parte dessa ENERGIA CÓSMICA.

E o futuro, como o nosso passado antiguo de criação ainda é um mistério. Para pensar, imaginar e planejar esse futuro ainda temos contas pendentes com o nosso passado.

Sejam todos bem vindos a essa viagem pelas estrelas. O caminho é longo e infinito, o conhecimento é finito, mas o desconhecido é imensamente infinito!

Para começar...


Ontem descobri que com minha mente posso alcançar tudo o que desejar. Mas apenas conhecia.

Hoje descobri que na ponta do meu dedo indicador chegam cerca de 40 milhões de neutrinos, que podem se interligar a distancias enormes como forma de expansão em ondas ou partículas. A todo o momento há ao meu redor uma troca abundante de neutrinos, tanto físico tanto mental, pois ao se aprofundar bem afundo matéria e energia provem de uma única fonte, baseada nas leis quânticas universais. Verdade imposta? Não, aqui não somos religiosos, acreditamos em uma força maior quântica que não merece o titulo de Deus, ou seja, o ser dogmático com seus mandamentos que for já estes manchados pelas palavras e egoísmo sujo dos homens.

Amanha o que descobrirei? Descobrirei que metade do que eu descobri era mentira, mas nem fosse tão assombroso assim conhecer, pois tudo o que vi e reconheci nunca aceitei como única verdade.

Abram suas mentes e imaginação. Matéria e energia são as mesmas coisas. Sua energia mental pode coagir com o físico, pois os neutrinos como ondas e partículas, matéria e energia se fundem e podem fazer trocas de lugares fazendo o inesperado acontecer.

Se não me entender, não prossiga. Retorne ate entender, senão irá se decepcionar com os fundamentos físicos elementares, mas tudo fica simples se você não se prender somente no que já sabe e abrir espaço psíquico para compreender algo nunca visto antes.

Não aceite nada de imediato. Argumente, analise, questione. Mas também não negue. Tudo sempre muda e nossas ‘’verdades’’ irão se revelar, melhor se retratando, irão evoluir.
Bem vindos a física quântica!


Albert Einstein não nasceu um gênio. Não importa se seus pais forem Hepácia e Isaac Newton, se você não buscar crescer por interesse próprio e por paixão, você nunca saberá o que pode ainda saber. Mas apesar de Einstein não ter nascido um gênio, ele tinha algo que nos leva ao caminho da sabedoria e genialidade: a curiosidade.
E ninguém o pode parar quando você é curioso!
Einstein tratava de satisfazer seus próprios interesses. Ele não se importava muito se fosse bem em Grego, Historia ou Artes. Ele tinha o consentimento de que a escola com seus métodos de ensinar a qualquer custo e de seguir regras acabavam sufocando o interesse de jovens e principalmente crianças e, se interessar pelo mundo científico.
Por isso Einstein só buscava o conhecimento mais e mais profundo sobre o que lhe mais interessava: A Física. A ciência de Einstein poderia ser facilmente compreendida por qualquer um. Aliás, Einstein não era desses cientistas paradoxistas que procuram impressionar ao invés de esclarecer.
A ciência é para todos. Mas todos foram massacrados pela pressão de aprender a qualquer custo. Fazer essa vida valer a pena, com todo o conhecimento que podemos desfrutar. O tempo não pára e há um longo e delicioso caminho para descobrir.

sábado, 4 de dezembro de 2010

E agora? Onde eu jogo o meu lixo?

Em 15 de Julho de 2010, começou a vigorar na cidade do Rio de Janeiro a Lei nº 5.502 que poderá multar os supermercados e grandes lojas que não cumprirem as obrigações previstas, descritas no Art. 3º:

I – a cada 5 (cinco) itens comprados no estabelecimento, o cliente que não usar saco ou sacola plástica fará jus ao desconto de no mínimo R$ 0,03 (três centavos de real) sobre as suas compras;

II – permuta de 1 Kg (um quilograma) de arroz ou feijão por cada 50 (cinqüenta) sacolas ou sacos plásticos apresentados por qualquer pessoa.

Muitas pessoas ficaram preocupadas e se perguntavam como fazer para jogar o lixo fora. Eis que foi feito o seguinte artigo para esclarecer as principais dúvidas e orientar a população do Rio e as demais à jogar seus resíduos de forma mais correta!

* O problema

O problema todo é o uso execessivo e o descarte inadequado dessas sacolas plásticas. Nos acostumamos com a praticidade que os sacos plásticos proporcionam, sem pensar nas consequências. Como elas distribuidas “de graça” (entre aspas porque de graça não é- o preço delas está embutido nos produtos que compramos) nós as usamos sem piedade – às vezes uma sacolinha plástica é usada para jogar um potinho de iogurte somente. Se começarmos a pagar por essas embalagens, vamos pensar melhor antes de jogar um saquinho vazio – ou metade cheio.

* Sacos reciclados


Você pode comprar sacos plásticos para lixo feitos de plástico reciclado. Ou seja, não é preciso retirar mais petróleo para fabricá-los, que no final das contas vai parar no lixo mesmo. E sacos plásticos entregues no supermercado têm que necessáriamente ser plástico virgem de acordo com normas da Anvisa, pois estaremos carregando alimentos.

* Reutilizar embalagens

Sabe os sacos que embalam o arroz, o feijão, o acúçar? Eles também podem ser usados para jogar o lixo – do banheiro por exemplo. Também tem os saquinhos plásticos que colocamos dentro as frutas e verduras no supermercado.

* Compostagem do lixo orgânico

Os resíduos orgânicos que são gerados na cozinha, podem ser reciclados por meio de um processo que se chama Compostagem. Esse processo nada mais é, que colocar as cascas de frutas e restos de alimentos, dentro de uma caixa com terra e minhocas. As minhocas farão todo o processo de compostagem. Isso é: você só tem que se preocupar em colocar os resíduos na caixa, e depois de um mês ou dois, você pode retirar o adubo que está rico em nutrientes para usar nos vasinhos de planta. Montar sua própria composteira é fácil: http://tinyurl.com/2uv3let Ou você pode comprar uma: http://tinyurl.com/39caqx6

* Recicláveis na caixa de papelão

Você pode usar uma caixa de papelão para acondicionar seu lixo reciclável, e levar a caixa no ponto de coleta mais próximo para ser reciclado. Se você mora em condomínio, você pode sugerir o uso de lixeiras de coleta seletiva na portaria para apenas tirar o material da caixa de papelão e colocar na lixeira certa. (É muito comum que os próprios funcionários do seu condomínio levem os materiais para reciclagem para ganhar uma graninha extra. Se onde você mora é assim, separar o lixo vai facilitar a vida desses funcionários, pois vai evitar a contaminação com outros resíduos orgânicos). Você também pode comprar uma lixeira grande, ou um saco de pano resistente grande. E não esqueça de lavar as embalagens recicláveis e deixar secar antes de colocar na caixa.

* Problemas Ambientais

- sacos plásticos ajudam a entupir bueiros o que provoca inundações nas cidades;
- sacos plásticos vão parar em rios, lagos e oceanos, o que provoca mortes por inanição de animais aquáticos;
- sacos plásticos aumentam o volume total do lixo que vai parar nos aterros e lixões, diminuindo a vida útil destes. Além disso, sua propriedade impermeabilizante atrapalha a decomposição dos resíduos;
- sacos plásticos podem levar mais de 400 anos para sumir totalmente da natureza (quando nossos tataranetos nascerem eles ainda vão estar presentes na natureza);
- sacos plásticos são feitos a partir do petróleo – um combustível não renovável – e poluente;
- sacos plásticos são muito leves, e podem sair voando por aí, e causar outros tipos de poluição;

*Enfim…

Temos bons motivos para parar de usar sacos plásticos! Dificilmente eles serão exterminados! Mas isso não impede que cada um tenha a consciência de fazer o seu melhor – e de promover individualmente a melhoria da qualidade ambiental da sua cidade (e de sua vida)!









Multinacionais ou Transnacionais?


Muitos autores adotam as expressões multinacionais e transnacionais como sinônimos. Outros, no entanto, consideram diferenças peculiares entre elas, a saber:

. MULTINACIONAIS > são empresas que mantêm filiais em vários países do mundo, comandadas a partir de uma sede situada no país de origem.

. TRANSNACIONAIS > são empresas cujas filiais não seguem as diretrizes da matriz, pois possuem interesses próprios e às vezes conflitantes com os do país no qual se originaram (Vesentini, 2003).

Visite o site abaixo para ver curiosidades interessantes sobre inúmeras marcas de produtos.


Normas básicas de apresentação de trabalhos escolares


As normas abaixo servem, para orientar, facilitar e padronizar a apresentação dos trabalhos escolares dos alunos. No entanto, devo ressaltar que mediante o nível de escolaridade e dos objetivos propostos, as regras – aqui descritas – são básicas, não seguindo rigorosamente as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

TRABALHOS DIGITADOS:

Regras Básicas:

- em qualquer destas formas deve-se respeitar as margens da folha: esquerda em 2,0 cm; direita, superior e inferior em 1,5 cm;

- é obrigatório o uso de tinta (digitado) de cor azul ou preta;

- o uso de caneta ou tinta de outra cor só será permitida no caso de títulos, subtítulos ou palavras-chaves;

- os trabalhos digitados devem ser apresentados em folhas de papel Ofício ou A4;

- caso haja acesso à Internet para a realização da pesquisa, o aluno NÃO poderá imprimir o texto original na íntegra e anexar ao trabalho. É preciso que se realize – primeiro – uma leitura (análise) e o resumo do mesmo (síntese);

- quanto às fontes do trabalho digitado, estas podem ser Times New Roman ou Arial, com tamanho 12 para o texto;

- o espaçamento “entre linhas” em todo o texto deve ser de 1,5;

- para destacar cada Título e/ou Subtítulo deve-se utilizar dois espaços de 1,5 tanto antes quanto depois;

- deve-se numerar as folhas à partir da Introdução, na margem inferior ou no fim da página, podendo ser alinhada a direita ou centralizada;

- todo trabalho deverá vir grampeado;

- a estrutura do trabalho deve ser dividida em três partes: a Capa, o Corpo e as Referências Bibliográficas;

- cada parte deve apresentar os seguintes elementos obrigatórios:

1. Capa:

Além de proteção externa do trabalho, a capa serve como elemento de identificação.

A capa do trabalho manuscrito deve ser confeccionada em papel almaço sem pauta, enquanto a do trabalho digitado deve ser em folha de papel Ofício ou A4.

Caso o aluno queira ilustrar a capa com desenhos ou figuras, estes devem estar de acordo com o tema, distribuídos de forma adequada, que não afete a configuração da Capa, não devendo exceder duas imagens.

A configuração e os principais elementos a constarem da Capa são:

Elementos necessários e obrigatórios:

- Nome do Estabelecimento de Ensino;

- Nome da Disciplina;

- Nome e Sobrenome do Professor Solicitante;

- Título do Trabalho;

- Nome completo do Aluno ou dos Membros do Grupo;

- № da Chamada;

- № da Turma;

- Nome da cidade da Unidade Escolar;

- O mês e ano da entrega da pesquisa.

2. Corpo do Trabalho:

O corpo do trabalho deve conter os seguintes elementos: Introdução, Desenvolvimento e Con-siderações Finais.

Cada elemento integrante do corpo do trabalho deve ser apresentado em folha separada, ou seja, a Introdução em uma folha, o Desenvolvimento em outra, assim como as Considerações Finais.

2.1. Introdução »» Corresponde à parte inicial do texto do trabalho, tendo como finalidades principais: informar sobre a importância do tema pesquisado, a justificativa de sua escolha e os objetivos do seu estudo.

A palavra INTRODUÇÃO deve vir escrita ou digitada em caixa alta (letras maiúsculas), de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.


2.2. Desenvolvimento »» Parte principal do trabalho, onde se encontra a explanação do assunto pesquisado. Dependendo da temática abordada, pode-se incluir – nesta parte – o método utilizado.

A palavra DESENVOLVIMENTO deve vir escrita ou digitada em caixa alta, de forma centraliza-da ou no lado esquerdo superior.

2.3 Considerações Finais »» Corresponde à parte final do texto, onde o autor (aluno) expõe as suas conclusões quanto à pesquisa.

As palavras CONSIDERAÇÕES FINAIS devem vir escritas ou digitadas em caixa altas, de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.

3.3. Referências Bibliográficas»» As fontes de pesquisa (livros, artigos, revistas, sites etc.) utilizadas pelo aluno e/ou alunos (grupo) devem constar, em folha separada, na parte das Referências Bibliográficas.

As palavras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS devem vir escritas ou digitadas em caixa al-tas, de forma centralizada ou no lado esquerdo superior.

Os elementos principais que devem ser citados são: o Nome do Autor; o Título; o Subtítulo (se houver); a Edição; o Local; a Editora; a Data de Publicação.

O ano da Edição só é citado à partir da segunda edição. Se não houver nenhuma referência acerca desta é porque é a primeira edição.

Exemplos: SANTOS, Milton. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. São Paulo, Hucited, 1978;

Referências de documentos eletrônicos (exemplo):

AUTOR. Título da obra. Disponível na Internet via www. (endereço on line). Data de acesso.

DANTAS, Tiago. Os efeitos do aquecimento global no Brasil. Disponível na Internet via www.brasilescola.com/geografia/os-efeitos-aquecimento-global-no-brasil.htm. Arquivo capturado em 04 de fevereiro de 2009 (ou Acesso em 04 de fevereiro de 2009).

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

. Deve-se RESPEITAR A DATA DE ENTREGA dos trabalhos, tendo em vista O NÃO RECEBIMENTO do mesmo fora do prazo estabelecido. Exceto nos casos de adiamento da data pela própria professora ou em casos específicos (atestado médico);

. Todos os aspectos relacionados ao trabalho escolar serão avaliados, a saber: o prazo da entrega, a apresentação externa (capa); a letra (legível); as ilustrações; o capricho; o conteúdo do corpo do trabalho (introdução, conteúdo e a conclusão), a síntese e as fontes bibliográficas.

Formas de Relevo

As formas de relevo e suas características, planalto, planície, depressões e montanhas, tipos de relevo.
Montanhas: formação a partir do choque de placas tectônicas

Planaltos

Os planaltos, também chamados de platôs, são áreas de altitudes variadas e limitadas, em um de seus lados, por superfície rebaixada. Os planaltos são originários das erosões provocadas por água ou vento. Os cumes dos planaltos são ligeiramente nivelados.
Exemplo: Planalto Central no Brasil, localizado em território dos estados de Goiás, Minas Gerais, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Planícies

É uma área geográfica caracterizada por superfície relativamente plana (pouca ou nenhuma variação de altitude). São encontradas, na maioria das vezes, em regiões de baixas altitudes. As planícies são formadas por rochas sedimentares. Nestas áreas, ocorre o acúmulo de sedimentos.
Exemplos: Planície Litorânea, Planície Amazônica e Planície do Pantanal.

Depressões

As depressões são regiões geográficas mais baixas do que as áreas em sua volta. Quando esta região situa-se numa altitude abaixo do nível do mar, ela é chamada de depressão absoluta. Quando são apenas mais baixas do que as áreas ao redor, são chamadas de depressões relativas. As crateras de vulcões desativados são consideradas depressões. É comum a formação de lagos nas depressões.
Exemplo: Depressão Sul Amazônica

Montanhas

As montanhas são formações geográficas originadas do choque (encontro) entre placas tectônicas. Quando ocorre este choque na crosta terrestre, o solo das regiões que sofrem o impacto acabam se elevando na superfície, formando assim as montanhas. Estas são conhecidas como montanhas de dobramentos. Grande parte deste tipo de montanhas formaram-se na era geológica do Terciário. Existem também, embora menos comum, as montanhas formadas por vulcões.

As altitudes das montanhas são superiores as das regiões vizinhas. Quando ocorre um conjunto de montanhas, chamamos de cordilheira
Exemplos: Aconcágua (Argentina), Pico da Neblina (Brasil), Logan (Canadá), Kilimanjaro (Tanzânia), Monte Everest (Nepal, China), Monte K2 (Paquistão, China), Monte Blanco (França, Itália).

Relevo Brasileiro


Introdução
O território brasileiro pode ser dividido em grandes unidades e classificado a partir de diversos critérios. Uma das primeiras classificações do relevo brasileiro, identificou oito unidades e foi elaborada na década de 1940 pelo geógrafo Aroldo de Azevedo. No ano de 1958, essa classificação tradicional foi substituída pela tipologia do geógrafo Aziz Ab´Sáber, que acrescentou duas novas unidades de relevo.
Classificações de relevo
Uma das classificações mais atuais é do ano de 1995, de autoria do geógrafo e pesquisador Jurandyr Ross, do Departamento de Geografia da USP (Universidade de São Paulo). Seu estudo fundamenta-se no grande projeto Radambrasil, um levantamento feito entre os anos de 1970 e 1985. O Radambrasil tirou diversas fotos da superfície do território brasileiro, através de um sofisticado radar acoplado em um avião. Jurandyr Ross estabelece 28 unidades de relevo, que podem ser divididas em planaltos, planícies e depressões.,
Características do relevo brasileiroO relevo do Brasil tem formação muito antiga e resulta principalmente de atividades internas do planeta Terra e de vários ciclos climáticos. A erosão, por exemplo, foi provocada pela mudança constante de climas úmido, quente, semi-árido e árido. Outros fenômenos da natureza (ventos e chuvas) também contribuíram no processo de erosão.
O relevo brasileiro apresenta-se em :
Planaltos – superfícies com elevação e aplainadas , marcadas por escarpas onde o processo de desgaste é superior ao de acúmulo de sedimentos.
Planícies – superfícies relativamente planas , onde o processo de deposição de sedimentos é superior ao de desgaste.
Depressão Absoluta - região que fica abaixo do nível do mar.
Depressão Relativa – fica acima do nível do mar . A periférica paulista, por exemplo, é uma depressão relativa.
Montanhas – elevações naturais do relevo, podendo ter várias origens , como falhas ou dobras.

Pontos Culminantes do Brasil

Pico

Serra

Altitude (m)

da Neblina

Imeri (Amazonas)

3.014

31 de Março

Imeri (Amazonas)

2.992

da Bandeira

do Caparaó (Espírito Santo/Minas Gerais)

2.890

Roraima

Pacaraima (Roraima)

2.875

Cruzeiro

do Caparaó (Espírito Santo)

2.861